Melatonina: aprenda a regular o seu sono

Você já ouviu falar da melatonina? É um hormônio que o nosso corpo produz naturalmente, mas que também pode ser encontrado numa versão sintética, para ser ingerido como suplemento. Se você sofre de insônia e gostaria de regular seu sono, eis um bom suplemento para te colocar no eixo.

Como a melatonina atua –remédio para insônia
A melatonina é um hormônio secretado naturalmente pela glândula pineal, que está localizada no cérebro. Ela é produzida quando há ausência de luz e sua função mais estudada e conhecida é a de regular o relógio biológico, fazendo com que tenhamos sono a noite e mais disposição pela manhã.

Numa pessoa com os horários biológicos normais, acordando pela manhã e dormindo pela noite, o pico natural de produção de melatonina varia entre 2 e 3 horas da manhã.

Existem alguns fatores que podem causar a redução dos níveis de melatonina. O primeiro é a alteração na rotina natural do corpo humano, o que acontece em pessoas que trabalham no turno da noite e dormem de dia. Isso acontece porque a luz, mesmo artificial, inibe a produção da melatonina. O envelhecimento também leva à redução da produção do hormônio. Outro fator, este mais temporário, é o famoso jet-lag. Ele ocorre quando fazemos uma viagem para um local com fuso-horário muito diferente do país original.

A versão sintética do hormônio atua exatamente nas funções de regulação do relógio biológico, induzindo o sono e fazendo com que se tenha um ciclo de sono mais reparador e profundo.

A melatonina realmente funciona?
Sim! Existem muitos trabalhos científicos que comprovam a eficácia da administração da melatonina no combate à insônia. A suplementação do hormônio ajuda a regular o relógio biológico do corpo, tornando mais eficientes as funções cerebrais que levam ao sono no período da noite. É ideal para quem tem o sono muito agitado ou dificuldades para dormir.

A eficácia para os viajantes é largamente conhecida. Não à toa, a melatonina já é usada por pilotos de avião e tripulação há pelo menos duas décadas. O suplemento ajuda a reverter rapidamente os muito desagradáveis efeitos do jet-lag. E quem viaja muito sabe: esses efeitos podem durar vários dias.

Preparação
Durante muito tempo tive dificuldades para dormir. Posso garantir que a Melatonina foi uma das grandes responsáveis por me auxiliar a aprender a dormir. Como eu sempre digo, sou contra a ingestão de qualquer tipo de medicamento se existe qualquer alternativa natural.

Dormir é uma questão de preparação e a maioria das pessoas não sabe se preparar para dormir. Primeiro garanta que você tenha um ambiente com as seguintes características:

Silêncio
Ausência de luz
Uma cama confortável (confortável não significa mole, a minha por exemplo é ortopédica e bem firme).
Temperatura regulada
Deite com o estômago não muito cheio e depois é só relaxar. Televisão, computador, celular ou tablet são as piores coisas para preparar você para relaxar. Uma música calma ou um audiobook te permite fechar os olhos e se concentrar em algo (uso este fone para dormir: http://www.sleepphones.com). Isso induz a produção da melatonina, que naturalmente induzirá o sono. Ou quem sabe leia um livro por alguns minutos, depois feche os olhos e tente dormir.

No auge do meu distúrbio do sono, tomei Melatonina por aproximadamente um ano, quase diariamente. Este processo foi fundamental para que eu pudesse regular meu sono e aprender a dormir bem. Atualmente eu raramente utilizo melatonina, limito o uso a viagens para evitar jet-lag ou dias que estou muito cansado e muito agitado para dormir.

Benefícios além do sono
Recentemente pesquisas científicas vêm mostrando vários outros benefícios da melatonina além do controle dos ciclos do sono. Os mais impressionantes são os referentes a melhora do sistema imunológico, redução do envelhecimento das células e até mesmo a possibilidade de prevenir o câncer.

Outros estudos apontam ainda a prevenção de infartos, redução da hipertensão arterial durante a noite e até mesmo a depressão. Esses e outros benefícios recentemente levaram algumas publicações pelo mundo a chamar a melatonina de super remédio.

Principais cuidados
Como qualquer hormônio exógeno, a melatonina exige alguns cuidados. Primeiramente, as mulheres grávidas ou que estejam amamentando não devem tomá-la. Assim como em crianças e adolescentes com menos de 12 anos. Pessoas com diabetes, hipertensão ou depressão também devem consultar o médico para analisar possíveis interações com os medicamentos que tomam.

A maioria dos efeitos colaterais da melatonina acontecem quando ela é tomada em excesso. A dose recomendada costuma variar entre 2 e 10mg. Os efeitos colaterais, em sua maioria, cessam assim que se suspende a ingestão do hormônio e incluem dores de cabeça, fadiga, sonolência pela manhã, irritabilidade e dores de estômago. Se sentir qualquer um desses sintomas, suspenda a melatonina imediatamente.

Onde comprar
No Brasil não é das tarefas mais fáceis comprar melatonina. Eu só consegui através do meu médico, mas foi um fortuna. Nos Estados Unidos você encontrará em qualquer supermercado ou farmácia a partir de U$10,00. Também encontrará em diversos sites que entregam no Brasil, um exemplo é o iHerb (http://www.iherb.com).

Lembre-se: não sou médico e não recomendo a utilização de qualquer remédio ou suplemento. Este artigo é apenas informativo, e se você está com qualquer distúrbio do sono, busque um médico.

Remédio para dormir: entenda os efeitos no organismo

Muita gente recorre a remédio para dormir, o problema é que esse ato pode se tornar um vício, ainda mais se for consumido sem prescrição médica.

Remédios para dormir podem causar perda de memória e problemas hormonais . Foto: iStock, Getty Images

Os medicamentos usados para causar sono têm uma série de efeitos colaterais, que vão desde sonolência no dia seguinte até disfunções sexuais. Além do mais, quem sofre de insônia pode ter outra doença.

Ausência de sono pode ser apenas um sintoma, e o uso do medicamento pode encobrir alguma doença mais séria.

Remédio para insônia pode causar dependência física
A dependência física é um dos efeitos colaterais possíveis de quem usa remédio para dormir. Como as drogas usadas são capazes de viciar em apenas três meses de uso contínuo, a pessoa pode ter que aumentar a dose do remédio para conseguir obter os efeitos do sono, virando uma bola de neve.

Parar com a medicação pode não ser tarefa fácil e até exigir uma desintoxicação.

Remédio para dormir provoca efeitos colaterais
Quem usa remédio para dormir, que geralmente tem, como fórmula, os benzodiazepínicos, sofre com uma série de efeitos colaterais.

Entre eles estão: sonolência no dia seguinte, não raro, sensação de ressaca, lentidão de raciocínio e reflexos, perda de memória e tonturas.

Os efeitos do uso do medicamento não terminam aí. Este medicamento altera o sistema hormonal, provoca perda de memória e até disfunções sexuais em homens e mulheres. Por isso, o uso indiscriminado deve ser evitado, sendo usado apenas com prescrição e acompanhamento médico.

O uso abusivo e descontrolado de medicamentos para dormir também pode provocar efeitos colaterais na pressão arterial do paciente. Em alguns casos, é possível que aconteça alteração brusca e intensa na pressão. O uso deve ser interrompido imediatamente e um médico deve ser consultado.

Quando uma pessoa deve recorrer ao remédio
Dizer que o medicamento deve ser proibido também é equivocado. Estes medicamentos cumprem papel importante na vida de algumas pessoas, desde que usados de forma orientada.

Quando há insônia e dificuldade para dormir, o médico pode lançar mão de medicamentos, mas antes é preciso investigar a origem da falta de sono da pessoa.

O médico, antes de receitar remédio para dormir, deve ser alertado do uso de outros medicamentos, principalmente os de uso contínuo para tratar problemas renais ou doenças do fígado, pois os resíduos dos medicamentos para dormir são eliminados por esses órgãos.

Remédios com receita médica
Mesmo sendo proibida a compra de remédio para dormir sem receita médica, muitas pessoas conseguem adquirir o medicamento, normalmente, em farmácias e pela internet.

A falha na fiscalização é um dos motivos para que isso aconteça. Algumas pessoas ainda conseguem comprar o produto através da internet, em sites que vedem produtos com origem suspeita.

Por ser de uso controlado e passível de uma série de efeitos colaterais, o uso do medicamento só deve ser usado e comprado mediante prescrição médica. A compra sem receita é crime, tanto para o farmacêutico quanto para quem compra.